Fonte: BBC Brasil

Segundo estudo do Banco Mundial, uma educação de qualidade resulta do treinamento constante de professores, de forma a capacitá-los para exercer de forma plena a docência escolar.

Os estudantes de Xangai, metrópole chinesa que ocupa os postos mais altos em exames escolares internacionais, têm seu êxito explicado por dois fatores: qualidade de ensino e sistema de treinamento e capacitação constante dos professores.

Em média, professores em Xangai passam apenas um terço do tempo ensinando. A maior parte do dia é dedicada a treinamentos, capacitações e sessões com supervisores.

“Um dos aspectos mais impressionantes do sistema educacional de Xangai é o modo como cuida, apoia e administra os professores, que estão no centro de todo esforço para elevar a qualidade da educação nas escolas”, afirma Xiaoyan Liang, autora do relatório do Banco Mundial.

Lá, ser professor é ter uma ocupação de prestígio, por isso o sistema educacional dá ênfase ao treinamento e uma carreira construída a partir de incentivos para os melhores docentes.

Com população de mais de 23 milhões de pessoas, Xangai tem seu próprio sistema de educação descentralizado, e seus resultados são melhores do que a média da China.

Nas avaliações mais recentes, realizadas pela OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), Xangai aparece nos primeiros lugares em matemática, leitura e ciência, em uma tabela global de países e regiões. Enquanto o Brasil ocupa a 38ª em solução de problemas, a metrópole chinesa ficou em 6º lugar (PISA 2012).

Embora tenha um número significativo de alunos pobres, o bom desempenho desses alunos menos favorecidos surpreende: estudantes que estão entre os 10% mais pobres de Xangai são tão bons em matemática como os 20% mais privilegiados do Reino Unido e dos Estados Unidos.

Xangai, que relaciona a ambição econômica com o investimento em educação, tem servido de exemplo para outros países que desejam elevar os níveis de suas escolas. Há, contudo, outros fatores sociais a considerar. Cabem questionamentos sobre a pressão que esse sistema altamente competitivo, focado em provas, exerce sobre os alunos.

Blog da Coruja
VOLTAR AO TOPO