Alunos que usaram o material da Coruja Escola apresentaram um desempenho em média 30% melhor na Avaliação Coruja, em diversos conteúdos das disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática, quando comparados aqueles que não usaram.

O uso do material Coruja Escola duas vezes por semana, por um período mínimo de três meses, resultou em melhora no desempenho da avaliação Coruja para mais de 60 % dos alunos, tanto em Língua Portuguesa quanto em Matemática.

A professora Simone Sawatzky do Colégio Erasto Gartner conversou com a equipe da Coruja Educação:

“Sou grata ao Projeto Coruja por ter desenvolvido esse material, foi muito positivo, ele contribui muito como material complementar para a alfabetização, falo isso com propriedade, com certeza, porque vi esse resultado na minha turma. Espero poder dar continuidade daqui alguns anos com esse projeto aqui no Colégio Erasto Gaertner.”
PROFESSORA SIMONE SAWATZKY, Colégio Erasto Gaertner

A fonoaudióloga e psicomotricista Adriana Amaral, especialista em neurociências aplicadas à aprendizagem pela UFRJ, utilizou o material Coruja Especialista e deu seu depoimento.

“Ao conhecer o Coruja Especialista, vislumbrei uma ferramenta que pudesse utilizar em momentos diferentes: desde a avaliação inicial até indicador da eficiência da minha intervenção, a medida em que é possível observar os resultados de forma quantitativa, além da qualitativa. Na prática, confirmei minha observação e passei a aplicar a avaliação adaptativa em crianças até o 5o ano, como complemento à avaliação fonoaudiológica da aprendizagem, e dessa forma rastrear possíveis lapsos do processo de alfabetização.

Ao finalizar a avaliação de cada eixo estruturante, é possível elaborar um plano de intervenção personalizado, de acordo com cada habilidade e competência investigada. É possível, ainda, monitorar essa progressão da aprendizagem, mesmo com a promoção da criança para o ano escolar seguinte, uma vez que o professor ou especialista, possui um mapa para indicar onde e como intervir, podendo, inclusive, levar esses dados ao professor do ano seguinte, oferecendo-lhe uma oportunidade de investir em estratégias educacionais individuais, com sucesso.”

ADRIANA AMARAL, Fonoaudióloga, Psicomotricista e Especialista em Neurociências Aplicadas à Aprendizagem – IPUB/UFRJ
VOLTAR AO TOPO